Como o vinho era feito antigamente: envelhecimento e evolução

Como o vinho era feito antigamente: envelhecimento e evolução

Indícios apontam que o vinho é a bebida mais antiga do mundo, e existe há mais de 7.000 anos. Sendo assim, saber como o vinho era feito antigamente pode ser uma curiosidade de muita gente.

Para se ter uma ideia, as primeiras bebidas que lembravam o vinho no mundo foram encontradas em jarros em uma região montanhosa do Irã, no período Neolítico.

Receba nossas novidades


    Dessa forma, podemos dizer que o vinho é uma bebida que vai além das civilizações.

    Do ponto de vista histórico é difícil apontar exatamente onde surgiu e como o vinho era feito antigamente. Mas em tempos mais recentes, alguns processos já foram desvendados. Acompanhe a seguir!

    Idade Média

    Na Idade Média uma atração muito comum para as pessoas era conhecer a pisa das uvas, que por muito tempo foi a principal maneira de prensar os frutos.

    Estima-se que essa prática existia desde o terceiro século antes de Cristo, na Roma Antiga.

    E essa previsão também foi possível por conta de uma escultura criada em homenagem ao deus do vinho romano, obra que hoje pode ser encontrada nos Estados Unidos.

    Além de saber como o vinho era feito nessa época, é válido conhecer que essa prática foi substituída, inicialmente, pelas prensas de madeira e só depois de muitas décadas pela prensagem automática.

    Hoje em dia, embora muito raro, ainda é possível encontrar locais onde o vinho ainda é produzido a partir da pisa das uvas, como na região do Douro, em Portugal.

    Vinho com água do mar

    Como o vinho era feito: Garrafa de vinho no mar

    Você sabia que os oceanos também fazem parte da história e influenciaram como o vinho era feito antigamente? 

    Isso porque o mar, por séculos, foi o meio de transporte da bebida para o mundo. Porém, além dessa função, há também produções que levam água do mar.

    O primeiro vinho com água do mar foi feito por volta do século 2 a.C., pelo agrônomo Columela.

    O também escritor infusionava o vinho com ervas, frutas e mel e acrescentava água do mar para criar sabores muito diferentes.

    Hoje em dia, essa técnica é bastante rara, mas também vem sendo estudada por enólogos ao redor do mundo.

    Envelhecimento debaixo d’água

    Não podemos falar como o vinho era feito antigamente e não citar essa técnica curiosa que só foi descoberta em 2010, por mergulhadores, na região de Champagne.

    Esses rótulos encontrados na última década foram levados até para museus para serem expostos.

    Nessa técnica chamada de “terroir aquático” ou “aquoir”, os produtores submergiam as garrafas no fundo do mar para que suas bebidas desenvolvessem aromas específicos e que duravam até horas na boca.

    A vinícola brasileira Miolo, como outras ao redor do mundo, já vêm testando a técnica. No entanto, não há estudos que aprovem a qualidade dessa experiência.

    Envelhecimento em ânforas de barro

    Como o vinho era feito: ânforas de barro

    Quando falamos sobre como o vinho era feito nos tempos passados, precisamos relembrar uma técnica de envelhecimento ainda utilizada por alguns pequenos produtores atualmente: o auxílio das ânforas.

    As ânforas são recipientes de barro que já existia há 5 mil a.C, e serviam exatamente para conservar alimentos e bebidas.

    Assim, por muitos séculos eles armazenavam vinhos, mas foram perdendo a força com a criação de novos tipos de recipientes.

    Embora esse tonel influencie um pouco no sabor do vinho, ele ainda terá menos influência do que uma barrica de carvalho, bastante utilizada hoje em dia para criar vinhos mais encorpados e marcantes.

    Como era feito o vinho x Como é feito hoje

    Agora você já sabe como o vinho era feito antigamente e suas mais diversas mudanças ao longo do tempo. E como é feito hoje, você sabe?

    Como falamos anteriormente, as barricas de carvalho são muito utilizadas em todo o mundo para criar vinhos mais especiais.

    Mas além desse tipo de barril, também existem os tanques de aço inox e os tanques de concreto, que são comuns em todo o mundo.

    Grazielle GrazielleApreciadora de um bom vinho! Formada em comunicação, nas horas vagas se dedica a entender e apreciar diferentes rótulos.

    Comentários

    Cadastre-se e receba nossas novidades


      Aviso: Nós usamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade Eu Aceito

      Como podemos ajudar?

      Por favor, preencha os dados abaixo e em breve entraremos em contato com você.